Notícias


Júlio César defende alterações no texto da reforma da Previdência

“É uma responsabilidade muito grande que nós temos de aprovar essa reforma e, evidentemente, não o texto que o Governo colocou, mas excluindo determinados seguimentos que são pobres no Brasil", disse.

Na manhã deste sábado (01), o deputado federal, Júlio César (PSD), falou sobre o processo de aprovação da reforma da Previdência proposta pelo presidente Jair Bolsonaro. O parlamentar esteve presente durante a inauguração da nova sede do PSL em Teresina. A cerimônia contou com a presença da líder do governo na Câmara Federal, Joice Hasselmann (PSL).

Júlio informou que o processo hoje está com o relator do projeto, o deputado federal eleito pelo estado de São Paulo, Samuel Moreira (PSDB), e disse que o relatório deve chegar à Comissão Especial da Câmara ainda na primeira quinzena de junho.

“O governo está intensificando o diálogo, está chamando muitos partidos, já se reuniu com o nosso partido, já teve com vários deputados mostrando não o problema do governo, mas os problemas do Brasil como um todo e dos brasileiros. O relatório da reforma da Previdência, pelo que o relator está dizendo, é para ser submetido à Comissão Especial ainda nessa quinzena, até o dia 15”, informou.

'Todo projeto tem negociação'

O deputado também confirmou que o texto original deve sofrer alterações. Para Júlio César, as modificações devem beneficiar os trabalhadores rurais e os assegurados pelo Benefício de Prestação Continuada (BPC), que propõe um salário mensal a pessoas com deficiência e idosos com mais de 65 anos que comprovem não possuir autosustentação financeira.

“É uma responsabilidade muito grande que nós temos de aprovar essa reforma e, evidentemente, não o texto que o Governo colocou, mas excluindo determinados seguimentos que são pobres no Brasil, que deve continuar recebendo, que é o trabalhador rural e o Benefício de Prestação Continuada e outros itens de menor importância. Todo projeto tem negociação, principalmente o que mexe com o povo pobre brasileiro”, completou.